21 de jul de 2017

São Cristóvão, padroeiro dos motoristas, viajantes e aqueles que fazem um caminho perigoso

Uma medalhinha de São Cristóvão para proteger os motoristas é muito comum de encontrar em caminhões por este Brasil. Dia 25 de julho, comemora-se sua data em diversos países.


Nascido na Palestina no século III, com o nome de Réprobo, era conhecido por sua força física. Atuava como soldado do rei de Canaã por ser extremamente valente. 
Durante um dos festejos do rei, eram entoadas músicas com letras que citavam o demônio. E sempre que isso acontecia, o rei fazia sinal da cruz. Foi então que Réprobo perguntou ao rei o que estava acontecendo, e ele disse que era para se proteger contra maldades. 

Réprobo concluiu que o demônio era mais forte e resolveu segui-lo. Em uma de suas viagens pelo deserto o encontrou, e enquanto andavam juntos percebeu que o demônio, ao ver uma cruz, desviava o caminho. E perguntou porquê. E o demônio disse: “Houve um homem chamado Jesus Cristo que, por meio de sua morte na cruz, trouxe a salvação para a humanidade, e quando vejo seu sinal, fico apavorado e fujo dele”. 

Réprobo entendeu Jesus Cristo era o mais poderoso e decidiu ir em busca dele. Peguntando para um desconhecido como poderia encontrar Jesus, este disse que o encontraria por meio de jejum e oração. Mas Réprobo disse que não conseguiria e procurou ficar junto a uma aldeia para ajudar pessoas a atravessar um rio bem profundo.

Todos os dias fazia a travessia levando pessoas, quando apareceu um menino que pediu ajuda. Ele era tão pesado para uma criança que Réprobo comentou sobre o assunto quando deixou o menino na outra margem. E este disse: “Bom homem, não te espantes, pois não só carregaste o mundo inteiro como também o dono do mundo. Eu sou Jesus Cristo, o Rei que estás a servir neste mundo. Para que saibas que digo a verdade, põe teu cajado no chão junto à tua casa e amanhã verás que ele estará coberto de flores e de frutos”. E o fato aconteceu, sendo que dali em diante passou-se a chamar Cristóvão.

Após o episódio, Cristóvão foi para Licia se encontrar com cristãos que estavam presos. Ao ser descoberto, foi açoitado por perseguidores. Para mostrar sua fé, jogou o cajado no chão pedindo a Jesus que florescesse na frente de uma multidão de pessoas. E assim aconteceu, mas foi levado ao imperador Décio que pediu para renunciar ao cristianismo. Como Réprobo não o fez, o imperador mandou decapitá-lo. 




Consagrar sua vassoura mágica - Wicca

As vassouras são símbolos que remetem ao paganismo, cultura Wicca e bruxas. Consideradas mágicas por varrer a maldade e limpar energias ruins, as vassouras requerem consagração.

Consagrar é inserir energias em um objeto de modo que ele se fortaleça como amuleto ou instrumento para rituais. E você não precisa ser praticante Wicca para ter uma vassoura energizada como iremos ensinar neste post. Nossa sugestão é fazer na lua cheia.

Na Ervanária Central temos diversos modelos de vassoura, algumas tão estilosas, que os clientes compram para decorar ambientes.


Consagração da Vassoura



Numa noite de lua cheia, tenha em mãos:
1 vassoura com cabo curto
1 incenso (ar)
1 vela vermelha (fogo)
1 copo com água ou borrifador com água (água)
1 prato de barro (terra)
1 colher de sopa de sal (terra)
1 fósforo ou isqueiro

Acenda o incenso e passe por toda a vassoura dizendo com toda fé: Pelo elemento ar eu te consagro.
Acenda a vela e passe suavemente a chama no cabo dizendo: Pelo elemento fogo eu te consagro.
Pegue a água e respingue (ou borrife) na vassoura dizendo: Pelo elemento água eu te consagro.
Toque o cabo da vassoura no prato de barro com o sal dizendo: Pelo elemento terra eu te consagro.
Após essas etapas, sua vassoura está pronta para limpar as energias. 

6 de jul de 2017

Madre Paulina, primeira santa do Brasil

Uma das santas beatificadas neste século, Madre Paulina nasceu em 1865, em Trento (Itália). Em uma época que muitos imigrantes italianos chegavam ao Brasil em busca de boas condições de vida, a família de Amábile Lúcia Visintainer chegou ao país em 1875, mais precisamente em Nova Trento, Santa Catarina.


Amábile, em pouco tempo, fez amizade com Virginia Nicolodi e encontraram no amor a Jesus Cristo um ponto de ligação, fazendo com que passassem boas horas juntas orando. O padre local as convidou para atividades envolvendo ajuda ao próximo, como consolar necessitados, idosos, abandonados, doentes e crianças. 
Por iniciativa própria, Amábile construiu uma casinha para cuidar dessas pessoas, em um terreno doado próximo à capela. Sua primeira paciente foi uma mulher com câncer terminal, em 1890. Com auxílio da amiga Virginia, trabalharam como enfermeiras nesta casinha. Neste período foi dado início à formação da primeira congregação religiosa feminina fundada no Brasil. Após alguns meses, Amábile, Virginia e Teresa Anna Maule, que fez parte do grupo, fizeram votos, e Amábila recebeu o nome de Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus, e em seguida passou a chamar-se Madre Paulina.
A congregação se mantinha com escassos recursos financeiros, e para sobreviverem, as irmãs trabalhavam numa fábrica de tecidos.
Os anos passaram, e, em 1903, o trabalho das irmãs foi reconhecido, sendo convidadas a se transferirem para São Paulo, para cuidar de um abrigo de ex-escravos idosos e crianças, depois da abolição da escravidão em 1888. E Madre Paulina, mais uma vez, recebeu reconhecimento pela sua dedicação e caridade, atuando também junto às irmãs doentes, quando foi chamada à Casa Geral, em São Paulo. 
Anos depois, em 1938, com diabetes, teve que amputar um braço, e chegou à cegueira, vendo a falecer em 9 de julho de 1942, na Casa Geral.

Seu primeiro milagre registrado aconteceu em Imbituba (SC), com a cura instantânea de Eluíza Rosa de Souza, que teve como diagnóstico a morte intra-uterina do feto. Seu segundo milagre comprovado foi em Rio Branco (AC). Uma menina, Iza Bruna de Souza, nasceu com má formação cerebral, tendo sido batizada em um balão de oxigênio no hospital, e com a oração de sua vó, invocando auxílio de Madre Paulina, a criança se recuperou.